sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Contigo, eu, não era o "eu" de todos os dias

Praia de Carcavelos - Leila Moura

Percebo agora aquele encanto que tenho por ti.
Todas as vezes que me perguntei: "Porque não sou capaz de largar alguém, se sei que não me faz bem?" têm agora resposta.
Já sei de onde vem todo o encanto e toda a paz que cada momento contigo me trazia.
Finalmente descobri porque sentia tanta necessidade, ou ansiedade, de estar contigo uns minutos que fossem.

Contigo, eu, não era o "eu" de todos os dias. Contigo eu sou, ou era, diferente.
Espera! Não me interpretes mal! Nunca te menti, nunca fui algo apenas para te agradar e nunca te disse nada que realmente não sentisse ou não pensasse.
Contigo, eu era apenas eu. Com defeitos, qualidades, sinceridades, fragilidades admitidas.
Contigo eu era quem realmente gosto de ser. Sem mais nada.
E percebo agora que o meu maior medo nunca foi perder-te! O meu maior medo é perder o que criámos, ou o que temos. O meu receio é perder-me!
E agora voltam as vozes na minha cabeça: Se isso tudo realmente existe, então tu não vais perder!
E a outra que diz: Só existe tal como é agora, se precisares mudar, por algo superior a ti, vais perder.

Há palavras que têm de ser ditas, por mais que venham tirar-nos aquilo que mais estimamos.
Mas...o momento em que as palavras são ditas tende em ser adiado. Falta de coragem?

Sim...contigo eu também sou cobarde e egoista o suficiente para querer um "Para Sempre".

3 comentários:

Anónimo disse...

Então não te percas neminha. Ou vê se te encontras :) Como sempre... adoro cada post teu. O anónimo é só para te chatear :P Beijos

Leila Moura disse...

Obrigada. E sim, já dei por isso...mas anónima ou não aqui cada opinião conta.

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

Pesquisas